Publicado em

OS “MARTELOS” NA MAÇONARIA

O martelo maçônico, conforme Mackey, é uma das ferramentas de trabalho de um Aprendiz, usado pelo maçom operativo para cortar os cantos da pedra bruta, transformando-a em cúbica, formato esse útil para a construção. Como se pode observar, o martelo é utilizado para cortar a pedra, sem o auxílio de qualquer outro instrumento, tendo por esse motivo uma cabeça retangular com um lado plano e outro fino, estreito. Esse é o verdadeiro martelo maçônico, que pode ser chamado de martelo de corte.

Maço

Talvez você esteja pensando: “Mas as ferramentas utilizadas para transformar a pedra bruta em cúbica são o maço e o cinzel!” Negativo. O maço e o cinzel não são usados para trabalhar a pedra bruta e não são originalmente ferramentas de um Aprendiz Maçom, visto que, na realidade, são ferramentas utilizadas para trabalhos de acabamento, para os quais um Aprendiz não está habilitado. Por esse motivo, nos ritos mais antigos, são instrumentos de um Companheiro Maçom. O maço tem ainda a função de alinhar as pedras cúbicas quando se levanta uma parede ou muro, além de uma pequena, rápida e triste participação no grau de Mestre Maçom.

Malhete

Várias Lojas mais tradicionais em diferentes países se recusam a utilizar os malhetes atuais, aqueles comumente utilizados por juízes e leiloeiros e que se tornaram populares na Maçonaria, declarando que os malhetes nada tem com a história e simbologia maçônica, sendo, portanto, inadequados para o uso em Loja. Em vez desses, essas Lojas utilizam versões simbólicas do martelo maçônico tradicional, o martelo de corte.

Se sua Loja está pensando em renovar alguns utensílios, a substituição dos malhetes por martelos de corte pode ser uma boa opção: além de barata, promoverá um aspecto mais próximo das origens operativas.

13 comentários sobre “OS “MARTELOS” NA MAÇONARIA

  1. Prezado Ir.'. Kennyo!

    Mais uma vez, obrigado pelo excelente artigo.

    Apenas fiquei na dúvida: tanto no REAA quanto no Ritual de Emulação o Malho e o Cinzel são as ferramentas do aprendiz… em quais ritos mais antigos o martelo de cortar é a ferramenta de trabalho dos aprendizes?

    E mais ainda: o Ir.'. nunca pensou, por um acaso, fazer como o Ir.'. Schoreder fez na alemanha com seus estudos e fundar um rito maçonico que esteja mais próximo da "veradeira" maçonaria de ofício???

    Fraternais abraços!!!

  2. Irmão Roberto, ainda pode-se encontrar o martelo de corte em alguns rituais antigos, por exemplo: no Monitor de Webb, datado de 1797; no Ritual dos Antigos, da Grande Loja dos Antigos da Inglaterra, de 1751; no Ritual dos Conservadores, de Morris; etc.
    Sobre um novo rito, para que criar um novo se temos tantos antigos a aprender?
    Abraços,
    Kennyo Ismail

  3. Muito interessante a matéria. Nasci no Rito Escocês e agora depois de mais de 10 anos estou conhecendo o Rito de York Americano. Realmente a ferramenta do aprendiz nesse que é um dos ritos mais antigos praticados, com base na maçonaria de York, é o martelo de corte e a régua. Têm todo sentido a explicação do Irmão Kennyo.
    João Luis
    Loja Jacques DeMolay Nº 50 – GOIRJ
    RITO DE YORK (AMERICANO)

  4. Muito interessante mesmo a matéria, nasci no Rito de York Americano. Realmente a ferramenta do aprendiz o martelo de corte e a régua; na maçonaria de York, como consta em nossos rituais. Parabéns ao IR.’. Kennyo Ismail pelo esclarecimento.

    Loja Jacques DeMolay Nº 50 – GOIRJ
    RITO DE YORK (AMERICANO)

  5. Interessante essa explicação sobre o martelo e corte. Mas ficou uma dúvida em que momento e por quê o martelo de corte foi subttuído pelo malhete? E a expressão que vemos “deixar sob malhete” de onde é sua origem?um tríplice e fraternal abraço.
    Geraldo, obreiro da Loja Vera Lux nº 28, da Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia

    Kennyo Ismail – Meu Irmão Geraldo, ao contrário do que às vezes os livros deixam a entender, as mudanças na Maçonaria não ocorrem de forma abrupta, com marcos de antes e depois. Ocorrem gradativamente e se consolidam com o tempo. Assim ocorreu com as ferramentas, utensílios e acessórios maçônicos, antes estritamente operativos e, com o passar do tempo, ganhando ares “simbólicos”.

  6. Presado ir.’. Novamente venho pedir que escreva acerca das sete estrelas que ficam no oriente da loja. É um símbolo ignorado por alguns escritores.

    Kennyo Ismail – Prezado Irmão Ivany, o que se lê aqui no blog é fruto de muita pesquisa. Geralmente são semanas de pesquisa e, muitas vezes, até meses para uma publicação. E para mantermos a constante publicação, há vários temas sendo pesquisados ao mesmo tempo, uns mais avançados e outros mais iniciais. O que faço é cogitar a hipótese de incluir o tema em futuras pesquisas e, se algo interessante surgir dessas pesquisas futuras, um post ou artigo será criado e publicado.

  7. Prezado Ir.’. Kenzo, primeiramente parabenizo pelo site onde assuntos de extrema importância são tratados com uma sutileza e de fácil compreensão.
    Muito me interessa pelo aprendizado, e recentemente fui iniciado na arte real no rito REAA, portanto, sou um AP.’.M.’.
    Gostaria muito que você me instruísse nas leituras importantes, com indicações de sites, blogs e até mesmo autores de confiança quando se trata de assuntos maçônicos.
    Abraço fraterno!

  8. Prezado Ir.´.Kennyo
    Primeiramente parabéns pela excelente matéria sobre o Malhete. Esclarecedora.
    Solicito informar se há algum estudo publicado pelo Ir.´. sobre os “toques”.
    Constatei que são empregados de forma que não condiz com as instruções ritualisticas.
    ex.: Ignora-se definição dos ossos das mãos chamados de “FALANGES”.

    TFA

  9. Meu Ir.’.Kennyo
    -Tudo é aprendizado.
    -Até onde estudei, o Maço e o Cinzel são instrumentos do Aprendiz, os quais devem seguir o comando da Régua – Certo?
    -Assim, o Malhete nada tem a ver com o Aprendiz, mas sim, com o Venerável Mestre que tem o comando dos trabalhos.
    TFA

    Kennyo Ismail – Meu Irmão Antônio, é mais ou menos isso que é dito no texto, com exceção do fato de que, para 70% dos maçons do mundo, não se coloca maço e cinzel nas mãos de um Aprendiz, já que são instrumentos que exigem o uso simultâneo de ambas as mãos e certas habilidades que um Aprendiz não tem. Esse erro crasso só é observado nos ritos desenvolvidos por pessoas que nunca pisaram numa obra. TFA.

  10. Em minha humilde opinião, o cinzel deve fazer parte da vida maçonica desde o primeiro grau sim. Pois, retirar a pedra certa da vida profana, precisa de corte perfeito. Se o aprendiz não puder usa-la, como irá cortar e moldar seu intimo??

    Kennyo Ismail – Meu Irmão José Roberto, obrigado pela opinião. É simples. Tira só o grosso no grau de Aprendiz e deixa pra “moldar” no próximo grau. Porque um aprendiz simplesmente ainda não tem habilidade e conhecimento para realizar tal “corte perfeito”. Algo lógico, racional e condizente com os rituais antigos.

  11. Boa tarde Ir.’. Kennyo!,

    Estou ficando habituado a ler seus artigos e estou gostando muito. Peço-lhe, se possível, me esclareça uma dúvida, qual seja: qual a posição correta dos diáconos se postarem quando da abertura do L.’. da L.’., eles ficam de frente um para o outro, ou seja o 1º de costas para o N.’. e o 2º de costas para o sul, ou ambos ficam de frente para o oriente segurando os bastões voltados para o centro, ou seja o eixo longitudinal da Loja?

    Kennyo Ismail – Meu Ir.´. Carlindo, em qual versão de ritual de qual Rito?

  12. Bom dia Ir.’. Kennyo,

    Percebo que ainda não foi possível ao Ir.’. esclarecer a minha dúvida sucitada em 14.03.16 as 16:00hs, quanto à posição correta dos diáconos quando da abertura do L.’. da L.’. no Ritual Ap.’.M.’. 1928 – REAA. Meu Ir.’. se possível, e sem querer abusar da boa vontade do Ir.’., peço-lhe que me responda, pois preciso prestar passar essa informação a minha Loja. Sou-lhe imensamente agradecido pela sua atenção.

    Kennyo Ismail – Meu Ir.´. Carlindo, a informação que tenho é de que os diáconos ficam de frente um para o outro na formação do pálio. Mas não encontrei explicações para isso. Desculpe-me por não poder ajudar mais nesse caso.

  13. Artigo muito instrutivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *