Publicado em

AS ESPADAS NA MAÇONARIA SIMBÓLICA

Espada Flamejante e Malhete. Arte: João Guilherme

A verdade é que a espada não tinha presença tão forte e tão variados papeis no Antigo Ofício. Nos rituais mais antigos só há uma única espada na Loja: a do “Tyler”, do Cobridor. Espada Flamejante??? Nem pensar! E essa “escassez de espada” ainda pode ser vista nas Lojas americanas e inglesas, mesmo quando no grau de Mestre Maçom.

Antes de alguém cogitar a ideia de achar estranho um Mestre Maçom sem espada ou uma Loja sem Espada Flamejante, raciocinemos: o que é “maçom”? Nossa Maçonaria Especulativa originou-se do que?
Maçom é pedreiro. A Maçonaria Especulativa originou-se da Maçonaria Operativa, ou seja, das associações de artífices, sindicatos de pedreiros. Por um acaso os pedreiros usavam espada? Espada é uma ferramenta de trabalho de um pedreiro?
Se você pensar bem, uma espada entre esquadro, compasso, régua, maço, cinzel, nível, prumo, alavanca, é um objeto um tanto quanto estranho e dissonante. Isso porque quem usa espada não é pedreiro. É cavaleiro. E já está mais do que claro que Maçonaria Simbólica nada tem com Templários, mesmo Ramsay tendo desejado o contrário.
Então de onde surgiu essas espadas presentes no grau de Mestre em tantos ritos? Observa-se que a espada como acessório oficial do Mestre Maçom está presente nos Ritos de origem francesa: REAA, Moderno, Adonhiramita. Isso porque, quando a maçonaria surgiu na França, foi pelas mãos dos escoceses exilados na França, os stuartistas. As primeiras Lojas eram compostas de nobres escoceses, nobres franceses e militares franceses. Todos esses usavam espadas e parece que elas acabaram adentrando aos templos com certa facilidade. É fácil entender o raciocínio desses pioneiros na França: eles eram nobres e militares. Combinaria mais com eles serem sucessores de cavaleiros medievais do que de pedreiros! Ramsay teria sido apenas o porta-voz da vontade desses senhores.
E a espada flamejante? Ela tem tudo a ver com isso. Quem se ajoelha para ser recebido e consagrado com uma espada sobre a cabeça definitivamente não é o pedreiro, e sim o cavaleiro. E numa Loja em que todos têm uma espada, a espada da sagração, visto ter exatamente o objetivo de “sagrar”, precisa ser diferente, precisa ser sagrada, imaculada. Daí então, as Sagradas Escrituras serviram de inspiração para a adoção duma Espada Flamejante, cujo porte pelos querubins imprime uma imagem sacra e o fogo simboliza purificação. Por isso, esqueça aquela baboseira escrita por um dos grandes “sábios” da maçonaria brasileira, de que a espada flamejante é um “raio jupteriano” que fulmina o candidato se encostar em sua cabeça. Pelo menos, aconteceu comigo na minha iniciação e eu não morri!
Foi assim que as espadas tiveram ingresso na Maçonaria Simbólica, fugindo da simbologia do Antigo Ofício, mas caindo nas graças da burguesia que, até aquela época, não portava espadas e não se sentava na mesma mesa que os nobres. Característica da cavalaria inclusa nas antigas tradições maçônicas, vista por uns como aberração e justificada por outros como evolução.

15 comentários sobre “AS ESPADAS NA MAÇONARIA SIMBÓLICA

  1. Parabéns pelo blog e pela matéria alusiva a espada. A espada, em Maçonaria, após a Constituição de James Anderson ou mesmo anterior a este período, é tida como a arma da vigilância com a qual o maçom simbolicamente defende a Ordem; representa o poder e a autoridade dirigidos com justiça e equilíbrio. É um símbolo de igualdade entre os MM.’.MM.’., contudo, estou de pleno acordo sobre as origens na Maçonaria Francesa, onde as primeiras Lojas eram compostas de nobres escoceses, nobres franceses e militares franceses que faziam uso destes Instrumentos.
    Fiquei encantado com o a matéria!
    Um abraço fraterno,
    Ricardo Mendes Coelho, 33º
    Loja Maçônica Estrela de Espinosa nº 4213 – GOB/MG

  2. Caríssimo Ir.'., leio sempre os seus trabalhos e vejo neles que a verdade é uma só. Aquela que você escreve. Os símbolos estão errados, os aventais idem e assim por diante. Entendo que você deve ser um grande estudioso sobre os assuntos maçônicos, mas veja que existem muitos estudiosos e todos são donos da verdade.
    Não há mistério a ser desvendado, o que há são opiniões diferentes para cada tema, e cada um buscando aprender, afinal somos todos aprendizes.
    Kennyo Ismail – Ainda bem, né meu Irmão? A unanimidade é burra. Se você pensar bem, sem oposição não existiria nem mesmo um átomo. É a diversidade que garante a existência. Por isso me dou o direito de discordar, assim como estou te dando o direito de discordar de mim. Agora, se todos nós passarmos a nos incomodar com o fato de acreditarmos em algo diferente de outros e defendermos opiniões diferentes de outros, qual evolução teremos? Maçonaria é dialética. Se eu proponho uma tese, espero sempre uma antítese. E sempre estou disposto a oferecer a antítese para outra tese. Só assim teremos sínteses, novas teses! Em vez de olhar isso com maus olhos, entenda que, apesar de alguns terem sido formados em ambientes e modelos onde o questionamento é errado e condenado, a Maçonaria defende a dialética veementemente e nenhum maçom deveria se incomodar com isso.

  3. qual é o nome da espada usada na maçonaria

    Kennyo Ismail – A Maçonaria em seus diferentes ritos e graus utiliza mais de um tipo de espada.

  4. Maravilhoso trabalho. Parabéns a todos, meus amados irmãos e obrigado por esta beleza de aula.
    Manoel. M.: M.: da Loja Liberdade e União Nº 2174, Oriente de Recife-PE

  5. Belíssimo texto reflexivo sobre o uso da espada na nossa Ordem. Parabéns!

    Gustavo L. Machado
    Loja Cavaleiros da Águia Simbólica n.º 3928. GOB-RJ

  6. Parabens, sábias palavras meu Irmão

    Loja: Renascença n° 03 GLEPA-PA

  7. Prezado Ir. Kennyo Ismail.
    Dúvidas:
    1º – em alguns rituais se utiliza o termo “espada flamígera”. Está correto;
    2º – na consagração (iniciação, elevação e exaltação), a espada é colocada sobre a cabeça; isto significa que a espada encosta na cabeça ou que fica acima da cabeça (o usual)?
    Um TFA,
    Francisco Lucas – Ex-Ven. (MI)
    ARLS Harmonia nº 106 – Registro – SP
    REAA – GLESP

    Kennyo Ismail – Prezado Ir.´. Francisco Lucas, o termo correto é “espada flamejante”. Quanto à consagração, o correto é que a espada, após as batidas, encoste na cabeça.

  8. Acho essas diversidades de entendimentos, formidável, pois é na diversidade que se aprende mais.

    Gostaria de fazer uma pergunta. Com relação a espada flamejante ou flamígera, em fim. Qual a posição correta dela sobre o altar do Ven.’.?

    Kennyo Ismail – com o punho voltado para o norte.

  9. Acho essas diversidades de entendimentos, formidável, pois é na diversidade que se aprende mais.

    Gostaria de fazer uma pergunta. Qual a posição correta da espada flamejante sobre o altar do Ven.’.?

    Kennyo Ismail – Com o punho voltado para o lado Norte.

  10. Meu caro irmão
    Como é boa a vida de aprendiz!
    O conhecimento esclarece
    O pensamento se eleva
    E nós tornamos melhor
    Muito obrigado e que o GADU nos abençoe

  11. Fiquei muito curioso sobre o “raio jupiteriano” hahahahah Queria saber o nome do autor!

    Kennyo Ismail – José Castellani, em seu Dicionário Etimológico Maçônico.

  12. e sonhar que voce vai receber uma espada flamejante com chamas azuis ? este sonho praticamente consume meu ser todos os dias

  13. Li o texto até ao final, entretanto, afirma quando a Espada de Fogo encosto em vossa cabeça, vós não morrestes.. Então vos pergunto quem sois vós? Para se tornar M.’. temos que morrer. Caso não tenha esse conhecimento, é um termo simbólico, ou seja, morremos para vida profana, para nos tornar Consagrado, pois a Espada Flamejante, é a Espada da Sagração… Como não morrestes, ainda continua a vagar pelo limbo… Pois desconheço M.’. Operários que não tenha morrido.. Como também dissestes procura antíteses, procuro consistência, se Sois vós M.’. queira retificar a sua informação de não ter morrido, quando a Espada da Sagração encosto em vossa cabeça.. Se não compreendes as metáforas, como pode contestar algo? T.’.F.’.A.’. A.’.G.’.D.’.G.’.A.’.D.’.U.’. Que a Luz e a Prudência sejam seus presentes após analisar esse pequeno texto.. Mas vos digo, tem boa informação, porém não Sois Maçom…

    Kennyo Ismail – Meu irmão, que ofensivo esse seu comentário… É isso que aprendeu na Maçonaria? Quando alguém diz algo que não é de acordo com seu ponto de vista, com sua verdade absoluta, você deixa de o reconhecer como maçom? Aprendi diferente. Você pode ter lido o texto até o final, mas pelo jeito infelizmente não o compreendeu. Ainda, se for como você afirma, 3/4 dos maçons do mundo, que nunca viram uma espada flamejante, não são maçons. E todos os maçons antigos não eram maçons. E todos os maçons anglosaxônicos atuais não são maçons. Talvez você seja o único maçom do mundo, pois é o único que declara ter morrido com a espada flamejante, que, em sua verdade absoluta, é o que torna um homem um maçom.

  14. Gostei muito da explicação. .

  15. Tambem entendo que a posição correta da espada flamejante sobre o altar deve ser com o cabo voltado para o norte, simplesmente porque é lógico, pois é a posição mais adequada para o Ven empunhá-la com a mão direita.
    Teria outra que fosse de natureza filosófica?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *