Publicado em

PLÁGIO NA MAÇONARIA

PLAGIOUm texto é uma propriedade intelectual de seu autor, que possui direitos morais e patrimoniais sobre ele, previstos na Constituição Federal e protegidos por lei regulamentar. O Código Penal Brasileiro inclusive prevê o crime de violação de direito autoral. Enquanto os direitos patrimoniais podem ser transmitidos a terceiros, os direitos morais são inalienáveis e irrenunciáveis. E a Maçonaria, sendo “um belo sistema de moralidade”, deve defender esses direitos. Cada maçom tem esse dever.

Quando alguém apresenta como de sua própria autoria texto, ou mesmo trechos, produzidos por outra pessoa, está violando direitos autorais, e isso é chamado de plágio. O blog “No Esquadro” hoje tem 5 anos de existência. Mas com apenas 6 meses desde sua inauguração, já começou a sofrer com o plágio. Na época, um blog maçônico chamado “Bodes da Luz” copiava vários artigos publicados no “No Esquadro” e os republicava em seu blog sem qualquer citação de autoria e fonte. Apenas modificava os títulos e as imagens dos posts.

Algum leitor pode estar pensando neste momento: “mas por que combater o plágio, se a intenção do blog é divulgar conhecimento?” Bem, há alguns anos eu também não me importava muito com isso. Pelo menos não até o dia e o modo com que tomei conhecimento desse primeiro plágio: um leitor desatento do meu blog me acusou de plágio. Isso mesmo, fui acusado de plagiar o plagiador de meus próprios textos… Por sorte, bastou eu sugerir a esse leitor que verificasse as datas de publicação de ambos os blogs para verificar quem havia plagiado quem. No entanto, esse episódio serviu-me de alerta da menor das consequências do plágio e, principalmente, que outros casos podem não ser tão simples de serem solucionados.

Voltando ao caso do plágio inaugural do blog, pensando tratar-se de algum irmão apenas mal informado ou descuidado, tentei contato por diversas vezes, sem receber respostas. E os plágios continuavam… Então, comecei a publicar comentários em cada post copiado, aproximadamente 30 posts, informando a real autoria e fonte de cada texto. Foi quando percebi que se tratava de um caso nítido de má fé: todos os comentários foram deletados pelo administrador daquele blog. Não tive outra alternativa se não denunciar o “Bodes da Luz” para a plataforma de gerenciamento de blogs na qual ele estava operando. No dia seguinte, o blog estava fora do ar por violação dos termos de uso da plataforma.

Agora, 5 anos depois, pouca coisa mudou. O plágio continua sendo um mal que assola a literatura maçônica brasileira. E, por incrível que possa parecer, muitas vezes cometido por maçons. O último plágio sofrido pelo blog (pelo menos que tomei conhecimento) foi há poucas semanas. Um texto do blog foi copiado e publicado em uma revista maçônica de periodicidade trimestral. O texto, publicado na revista no mês passado, consta como sendo de autoria de outro maçom. No entanto, cada palavra do texto é de minha autoria e foi publicado originalmente no “No Esquadro” em 2011. Posso garantir que não é nada bom ver um dos frutos dos esforços de minhas pesquisas e produção sendo utilizado para fins comerciais, sem minha prévia autorização, e ainda como sendo de autoria de outrem.

Nesse último caso, assim como no primeiro, ofereci o benefício da dúvida, acreditando que pode ter havido uma pequena confusão de parte do Irmão que submeteu o artigo ou da revista que o publicou. Nesse sentido, fiz contato com os responsáveis pela revista, informando do possível equívoco e solicitando que providências sejam tomadas para remediá-lo. O diálogo está em andamento.

Esse é um problema sério e precisa ser tratado com a devida seriedade por nós, maçons. Precisamos instruir e alertar sobre essa questão em nossas Lojas Maçônicas, desde os Aprendizes, no desenvolvimento de suas “peças de arquiteturas” para “aumento de salário”, até mesmo os mais graduados, responsáveis pelas publicações maçônicas. Quanto às publicações, essas devem possuir uma política de declaração de direitos autorais e verificar a possível ocorrência de trechos não referenciados nos artigos submetidos antes de publicá-los, protegendo assim os seus interesses e os dos autores maçons.

14 comentários sobre “PLÁGIO NA MAÇONARIA

  1. SFU
    Irmão Kennyo,
    Acompanho seu trabalho desde 2010.
    Posso afirmar com muita tranquilidade que conheço cada vírgula que escreve. Já havia notado o plágio de vários artigos em diversas redes sociais, tais como, blogs, grupos de whats App e e-mails.
    Nunca havia informado ao irmão, pois, sendo uma situação lamentável, ficava como receio que tais atitudes pudessem desestimulá-lo, diminuindo o ritmo de suas pesquisas, e consequentemente suas publicações aqui no blog.
    Quem perderia? Seriamos nós, seus leitores.
    Finalizando, espero que continue com seu trabalho de DESMISTIFICAR A MAÇONARIA, e que as dificuldades interpostas em seu caminho, sejam superadas, suas pesquisas continuem a render posts de valores imensuráveis para a edificação de uma ordem Maçônica Justa e Perfeita.
    FORÇA E SUCESSO!!!
    TFA

    Márcio Martins.’.

  2. Olá Irmão Kennyo.
    Você poderia informar qual o nome da revista em que seu artigo foi publicado?
    TFA
    Jean Pagani

    Kennyo Ismail – Meu Irmão Jean, foi na Revista Universo Maçônico. TFA.

  3. Lamentável é saber que tem sido recorrente em diversas lojas plágios de peças de arquiteturas.

  4. tenho 16.400 trabalhos maçonicos, todos copiados de sites, blogs, revistas maçonicas…praticamente os li na totalidade, e sei que são feitos por maçons…esse arquivo é meu…se é plagio ou não, estão todos em meus arquivos no meu computador pessoal…

    Kennyo Ismail – Não. Isso não é plágio. Longe disso. Plágio é se você pegar qualquer um desses trabalhos maçônicos copiados de algum lugar e publicar em outro lugar como se você que tivesse escrito.

  5. É muito triste essa situação, mas continue a lutar e seria interessante que informasse quem são os plagiadores, essa última revista, você tem que avisá-los , independente da reparação, que irá informar seus leitores.
    Até porque se sou leitor necessito saber, assim também estarei sendo informado da seriedade da revista que estou lendo.

    Fraternalmente,

    Kennyo Ismail – Irmão Cleiton, eu estava mantendo sigilo do nome da revista, na esperança de que a mesma, sendo gerida por um irmão, após meu contato inicial, rapidamente buscaria corrigir a situação. Mas já se passaram dias, sem que nada seja feito. Trata-se da Revista Universo Maçônico.

  6. Saudações Ir.´.
    Apesar de triste os fatos nessa postagem, parabéns por seus textos e por seu site! Me auxilia muito, e sempre cito, quando utilizado, como fonte inicial de pesquisas para desenvolver meus trabalhos!
    É uma pena essa dita Revista agir de tal maneira atribuindo seus textos a outra pessoa agindo de má fé… por favor nos mantenha informado sobre ocorrido sempre que possível…

    Muito Obrigado!

    TFA

  7. Pod.’. Ir.’.,

    Escrevi a pouco um comentário em um dos seus trabalhos. Para minha alegria, vi agora esse seu post. Meu Ir.’., como professor na Universidade, combato fortemente esse tipo de prática que é tão nociva ao engrandecimento da educação. Em nossa loja, fomentamos fortemente que toda e qualquer produção seja devidamente referenciada. Não é demérito nenhum reproduzir uma peça de arquitetura. Desde, claro, sua fonte/autoria seja citada. Pelo contrário! Só ajuda e incentiva aos demais por beber da mesma fonte e, para quem faz, produzir cada vez mais.

    Como disse no meu comentário anterior e reitero:

    Tenho o maior orgulho de ser seu Ir.’.. Sou um franco propagador do SEU trabalho e tenho você como referência maior. Sobretudo, por nos abrilhantar com referências bibliográficas tão ricas. Lamentei muito não ter ido em sua palestra aqui em Salvador. Estou rogando ao G.’.A.’.D.’.U.’. outra oportunidade como essa.

    Parabéns, SIGA EM FRENTE e Muito Obrigado!

    Um forte e Tríplice e Fraternal Abraço (sem abreviações)

    Davi Durães.’.
    União Fraternal de Salvador – UFRASA
    Grande Oriente da Bahia

  8. Estimado Tio Kennyo.

    Realmente é com muita tristeza que leio o seu texto. Embora não seja digno de fazer parte dessa belíssima instituição, que preza pela união, pelo companheirismo, pela moral e acima de tudo pela justiça, vejo que esse mal assola o nosso meio. Sou filho de maçom e aprendi a respeitar todos os tios, tias, primos, primas e irmãos (Ordem Demolay), mas vejo que muitos estão sendo vencidos pela vaidade. De que basta os títulos, sem o reconhecimento?
    Como admirador do seu trabalho, tenha a certeza que mesmo que alguns não tenham entendido o verdadeiro espírito da maçonaria e da união. Seu trabalho precede qualquer tipo de trabalho e como um simples leitor e estudante, tenha a certeza que sempre indico os seus textos para os bons amigos e irmão que tem o intuito de enxergar o caminho com mais luz.
    Receba o meu apoio e fica o meu sentimento de tristeza com àqueles que quebram o brilho dos Irs.’. e dos sobrinhos dessa família que vive a diversas gerações.

    Seguindo as palavras do Tio Davi Durães do G.’.O.’.B.’.: “Parabéns e siga em frente”

    Fraternalmente um DeMolay,

    Roberto Rodrigues de Sá Filho
    Montes Claros-MG

  9. Assunto importante. Fui blogueiro por 5 anos e é um tema polemico mas de direito. Boa sorte com a revista e que os plagiadores errem seu site.
    Outro assunto, sugiro trocar o template do blog por um responsivo para não peder indexação no google. Recomendo o próprio WooThemes que voce usa tem boas opções gratuitas.

  10. SOU M.’. HA 30 ANOS. NOS ULTIMOS 15, VENHO COLECIONANDO TRAB.’. MAÇ.’. COLETADOS EM REVISTAS, BLOGS, SITES, E RECEBIDOS DE CENTENAS DE IRS.’. QUE MANTENHO CONTADOS.
    RESOLVI CRIAR UM “ESTOQUE” DE TRABS.’. E COMISSO AJUDAR PRINCIPALMENTE OS AP.’.C.’. E TAMBEM MM.’., QUANDO SOLICITADOS A FAZEREM SEUS TRAB.’. PARA SEREM APRESENTADOS.
    QUANDO ME PEDEM UM TRAB.’. “X”, REPASSO A ELES, INUMEROS TRABALHOS SOBRE O TEME “x”, E PEÇO PARA FAZEREM A LEITURA DE TODOS, UM RESUMO, ACRESCENTAR SUAS IDÉIAS ETC….MAS JAMAIS UM SIMPLES CONTROL C OU CONTROL V, PORQUE TODOS QUE ESTARÃO OUVINDO SUA LEITURA SABERÃO QUE FIZERAM ISTO…E SEMPRE QUE POSSIVEL, APRESENTAR A FONTE RECEBIDA, QUE NÃO PODE SER A MINHA PESSOA, QUE TAMBEM “GUARDEI” OS TRABALHOS PARA EXATAMENTE SEREM USADOS NESSAS OPORTUNIDADES.
    JAMAIS LI EM L.’. UM TRABALHO, MESMO COM INUMERAS ALTERAÇÕES E ACRÉSCIMOS, SEM DIZER A FONTE, O IR.’. OU SITE, REVISTA DE ONDE CAPTEI O TRABALHO.
    MAS, O QUANTO MAIS ESSA FORMA SER DIFUNDIDA, MAIS E MAIS TRABALHOS SERÃO LIDOS E APRESENTADOS DE DIVERSAS FORMAS, E É MUITO IMPORTANTE.
    SE OIR.’. NÃO TEM CONDIÇÕES ELEMENTARES DE PRODUZIR SEU PROPRIO TRABALHO, FAZER USO DE OUTROS TRABALHOS COM MESMO TEOR E SENTIDO. NADA VEJO QUE POSSA CONDENA-LO, A NÃO SER, O DE NÃO APRESENTAR A FONTE.
    TFA.

    1. Venho com mui respeito solicitar se possível for me enviar uns trabalhos para que possa ajudar meus Ir.’.T.’.F.’.A.’.

      Kennyo Ismail – Meu Ir.´. Vanizio, você pode assinar a newsletter do blog e então receberá notícias por e-mail sempre que um novo post for publicado. TFA.

  11. Parabéns Ir.´. por abordar este tema tão importante. Acabo tendo muitas dificuldades ao fazer meus trabalhos, pois fica até difícil saber os verdadeiros autores para referenciá-los, e possivelmente acabamos cometendo erros devido a este problema. Vamos fazer nossa parte, quem sabe um dia todos os irmãos tenham essa consciência! TFA

  12. Caríssimo Ir:.! Sou leitor assíduo de seus trabalhos, sou M:.M:. Grau 27 na atualidade pela Glesp, sendo minha Loja Mãe a ARLS Discípulos de Salomao, 392, Oriente de Limeira, São Paulo. Já utilizei seus trabalhos para escrever os meus e apresentar em Loja, mas nossa conduta e orientação é sempre colocar as referências bibliográficas, e acrescento junto, há muito tempo também o termo , referências bibliográficas e fontes de inspiração, que já li tb em outro autor Maconico.
    Gostaria de parabenizar seus trabalhos e agradecer pela grande ajuda e inspiração!
    TFA!

  13. Ir.’. Kennyo,

    primeiramente, gostaria de parabenizá-lo pelo trabalho que vem fazendo no site. Tenho estudado demais contigo. Muito obrigado.

    Fui encarregado recentemente de criar e gerir a página da loja da qual faço parte no Facebook e encontrei em seu site uma grande fonte de conhecimento. Demorei um pouco para organizar meus projetos, porém agora que consegui postarei conteúdos provenientes do site No Esquadro nomeando você como autor e colocando o endereço eletrônico no qual o conteúdo pode ser visitado na íntegra.

    Torço para que possamos nos encontrar e conversar um dia.

    T.’.F.’.A.’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *