Publicado em

MAÇONARIA & TOLERÂNCIA RELIGIOSA

INTOLERANCIAA Maçonaria declara combater a intolerância, a ignorância e o fanatismo. Esses três males estão intrinsicamente relacionados. A ignorância é, sem sombra de dúvidas, a origem e o cerne do fanatismo e de toda a intolerância, em especial a religiosa. “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Essa máxima cristã ensina que o conhecimento, alcançado pela busca da verdade, liberta o homem da ignorância. A Maçonaria, em seus rituais, instruções e literatura, também é extremamente rica em passagens que revelam essa sua vocação. Além de sua história.

Como bem observado pelo pesquisador Antônio Gouvêa Mendonça[i], a Maçonaria constituiu “um peso razoável na balança a favor do protestantismo no momento de sua inserção na sociedade brasileira”. Isso ocorreu a partir da segunda metade do século XIX. Nessa época, de hegemonia e poder católico no Brasil, os protestantes eram a minoria, que sofria todo tipo de ataque intolerante, fanático, preconceituoso. E a Maçonaria, original defensora da liberdade religiosa, e em combate aos males já mencionados, muito colaborou para o ingresso e consolidação das igrejas protestantes no país.

David Gueiros Vieira, em seu artigo sobre o tema[ii], destaca que a Maçonaria brasileira da segunda metade do século XIX, não somente trabalhou em prol do protestantismo, como também do liberalismo, da abolição da escravatura, do ensino laico, e da proclamação da república, garantindo assim a separação da Igreja-Estado, da qual todos usufruímos atualmente. Marcos José Diniz Silva, inclusive, atentou para a guerra midiática entre a Maçonaria e a Igreja Católica, a favor e contra o ensino laico e a liberdade religiosa, por meio de seus jornais.[iii] Mas foquemos aqui na questão religiosa.

Naquela época, os protestantes enfrentavam todo tipo de boicote, desde aquisição de terrenos para igrejas, compra de material de construção, mão de obra, até ameaças aos sacerdotes e fiéis, e atos de vandalismo. Há registro de casos de congregações religiosas que funcionaram inicialmente nas dependências de Lojas Maçônicas, que as ajudaram a construir seus próprios edifícios. Há também registro de proteção maçônica a pastores em suas pregações públicas em todo o interior do país. As igrejas pentecostais e neopentecostais, que surgiram no Brasil durante as décadas seguintes, usufruíram da base bem fundamentada, construída pelos protestantes tradicionais (históricos) com o auxílio dos maçons (muitos deles, também protestantes).

No entanto, atualmente, o Brasil tem assistido outra crise de ignorância, fanatismo e intolerância religiosa. Os noticiários têm apresentado uma crescente onda de casos de intolerância contra, principalmente, religiões de origem africana. Aqui mesmo, nas proximidades da Capital Federal, três terreiros sofreram vandalismo e foram incendiados. Isso mesmo: no entorno de Brasília, em pleno século XXI. Lojas de artigos de umbanda também foram depredadas em Belo Horizonte. Isso sem contar os casos quase que diários de agressão física, até mesmo a uma menina no Rio de Janeiro, apedrejada por ser adepta do Candomblé, e outra em Curitiba, agredida dentro de sala de aula pela mesma razão. Cada uma em um canto do país. Ambas, vítimas do que é uma clara afronta aos Direitos Humanos e à Constituição.

Infelizmente, alguns sacerdotes de certas vertentes evangélicas, também tomados pela ignorância, vez ou outra nos surpreende com discursos e propagandas antimaçônicas, como já noticiado aqui no blog. Suas memórias curtas ou, simplesmente, puro desconhecimento (ignorância), levam-lhes ao erro de atacar a Maçonaria, que tanto colaborou para a consolidação de suas antecessoras e, consequentemente, de suas próprias igrejas no país. É esse tipo de “ignorância sacerdotal” que incita a intolerância, o fanatismo, levando indivíduos aprisionados a suas fés cegas e má orientações espirituais a atos de terrorismo como os mencionados.

Espero que nossas Obediências Maçônicas abracem novamente a causa do combate à intolerância religiosa, como fez há 150 anos. A reforma política já tem a atenção de grandes instituições, como o MPF – Ministério Público Federal, e a CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. As minorias religiosas discriminadas não. Essa conquista maçônica do passado, chamada de liberdade religiosa, está seriamente ameaçada e merece mais uma vez nossa atenção. Não podemos esperar que as difamações contra a Maçonaria se transformem em apedrejamento de maçons e incêndio a Lojas Maçônicas para agir.



[i] MENDONÇA, A. G. Inserção dos protestantismos e “questão religiosa” no Brasil, século XIX (reflexões e hipóteses). Estudos Teológicos, Vol. 27, No. 3, 1987, p. 219-237.

[ii] VIEIRA, D. G. O Liberalismo, a Maçonaria e o Protestantismo no Brasil no Século Dezenove. Estudos Teológicos, Vol. 27, No. 3, 1987, p. 195-217.

[iii] SILVA, M. J. D. Maçonaria e laicismo republicano na imprensa católica cearense entre os anos de 1910 e 1920. Ciência & Maçonaria, Vol. Vol. 1, n.1, Jan/Jun, 2013, p. 7-19.

2 comentários sobre “MAÇONARIA & TOLERÂNCIA RELIGIOSA

  1. Interessantissimo tema, afinal somos aquilo que professamos. Vivemos em uma sociedade cada vez mais doente que cultua as coisas materiais e insignificantes perante a vida. Acho que falta cultuar o amor, um amor que transcende quaisquer barreiras: religiosas, filosóficas e até mesmo maçônicas (digo isso, porque vemos a vaidade tristemente invadindo nossos convívios, haja visto os problemas decorrentes de nossas potências maçônicas só tem a união quando lhe são convenientes. Nossos ensinamentos que de tão simplórios na visão dos curiosos passam despercebidos. Acho que falta um pouco de tudo para nós, humanidade – fraternidade – companheirismo. Essas coisas andam demodê e isso é o que me assusta.

    Será que temos trabalhado de forma errada em nossas comunidades?
    Do ponto de vista maçônico, o que pode ser feito?
    Do ponto de vista institucional, o que andamos fazendo de errado?.

    São questionamentos bem pertinentes.

  2. Pod.’. Ir.’.,

    Lendo mais essa bela peça de arquitetura e como de costume, fui aprofundar o tema partindo das referências que citou. Em um primeiro momento, coloquei assim no Google: “Estudos Teológicos Maçonaria”. Nos primeiros links que encontrei, percebi a profundidade que seu artigo aborda pois só de ler tanta coisa em desfavor da nossa Ordem, fruto do que você mesmo colocou (ignorância), temos um Raio X de como a humanidade deverá caminhar muito para sair dessa mazela chamada preconceito.

    Vou além. Essa intolerância transcende a religiosidade. Estamos vivendo dias difíceis em nosso planeta onde até mesmo no seio da família não nos toleramos mais.

    Devemos, sem dúvida, orar e vigiar para que não sejamos hostilizados tal qual os exemplos que você nos trouxe.

    Não me cansarei de agradecer pelo seu trabalho e dedicação para a nossa Ordem. Sobretudo nos iluminando com seus textos tão bem fundamentados.

    Um Nônuplo Fraternalíssimo Abraço,

    🙂

    Davi Durães
    Ap.’. M.’.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *